20 anos após morte de Betinho, Brasil corre risco de voltar ao Mapa da Fome

Jefferson Rudy/CB/D.A Press Betinho dedicou a vida à defesa do cidadão, à luta pela ética na política e contra a fome e a miséria
Hoje é dia de um resgate de ideias, de recuperação de um exemplo. Há 20 anos, às 21h10 de uma noite de sábado, o Brasil perdeu Herbert de Souza, o Betinho, um sociólogo que dedicou a vida à defesa do interesse coletivo, à luta pela ética na política e contra a fome e a miséria. O contexto da sociedade brasileira — com 14 milhões de desempregados, avanço da pobreza e redução nos gastos públicos com saúde, educação e segurança — faz pensar em como seriam os dias atuais sem essa ausência.
No mês passado, 20 instituições da sociedade civil apresentaram o relatório Luz da Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável. O documento analisa o desempenho do Brasil para o cumprimento dos 17 objetivos de desenvolvimento sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU), mas trouxe alerta sobre o risco de o país voltar a constar no próximo Mapa da Fome. Esse levantamento — feito pela instituição da ONU que lida com a agricultura e a alimentação, a FAO — indica em quais nações mais de 5% da população ingerem diariamente menos calorias que o recomendado. O combate à fome era bandeira de Betinho.
Só em 2014, o Brasil desapareceu do Mapa da Fome. Pela primeira vez, 3% dos brasileiros tinham que lidar com a falta de condições para satisfazer a necessidade vital por comida, e, assim, o mapa do país deixou de ganhar, no levantamento da FAO, a cor avermelhada. Apesar do aumento da pobreza e da degradação das condições sociais, o Bolsa Família atende hoje 800 mil famílias a menos em comparação com 2013.
Em nota, o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) argumenta que o aumento da pobreza e da miséria no Brasil, presente no relatório, é consequência da irresponsabilidade fiscal do governo Dilma Rousseff (PT) e de uma condução desastrosa da política econômica. “Assumimos o governo com as contas deficitárias. Mesmo assim, reajustamos o benefício médio do Bolsa Família em 12,5%, o que não era feito havia dois anos, e isso teve forte impacto na vida da parcela mais vulnerável da população”, explica o ministro da pasta, Osmar Terra (PMDB).
Um parceiro nas mobilizações da década de 1990 manifesta saudade do sociólogo e entende que hoje a presença dele teria muito a contribuir na luta contra a ameaça do retrocesso. “Os indicadores sociais estão sendo perdidos rapidamente, e, com persuasão e persistência, tenho certeza de que Betinho conseguiria mobilização em defesa dos ganhos que a sociedade brasileira conquistou”, avalia Luiz Pinguelli Rosa, diretor de relações institucionais do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe), vinculado à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).
A inspiração que ficou dos 61 anos de vida do defensor da cidadania será tema, às 12h, do evento Celebrar Betinho, na UFRJ. Haverá um debate com a participação de professores do Coppe e do filósofo e teólogo Leonardo Boff.
Está prevista também a apresentação do hotsite www.celebrarbetinho.org.br. Por fim, haverá o lançamento do Prêmio Betinho Imagens da Cidadania, iniciativa que selecionará 10 vídeos feitos sob inspiração de princípios da democracia: igualdade, diversidade, participação, solidariedade e liberdade.
“Os indicadores sociais estão sendo perdidos rapidamente, e, com persuasão e persistência, tenho certeza de que Betinho conseguiria mobilização em defesa dos ganhos que a sociedade brasileira conquistou”
Luiz Pinguelli Rosa, diretor do Coppe
20 anos após morte de Betinho, Brasil corre risco de voltar ao Mapa da Fome
Rate this post
Carro atropela soldados em subúrbio de Paris e deixa seis pessoas feridas
Correio vence prêmio com reportagem sobre falhas no Ensino Médio