Apenas 33% dos americanos aprovam primeiro semestre de Trump na presidência

Jim Watson/ AFP - 31/07/2017 A pesquisa revela que 55% dos americanos “reprovam fortemente” Trump, enquanto 6% o “reprovam de alguma maneira”

Apenas um terço dos americanos aprova a gestão de Donald Trump após os seis primeiros meses de seu mandato na presidência dos Estados Unidos. A rejeição ao presidente chega a 61%, mostra pesquisa da Universidade de Quinnipiac (Connecticut) divulgada nessa quarta-feira. A informação é da Agência EFE.

O índice de 33% de aprovação é o mais baixo registrado por Trump nos levantamentos da universidade, superando os 34% obtidos no início de junho. A pesquisa revela que 55% dos americanos “reprovam fortemente” Trump, enquanto 6% o “reprovam de alguma maneira”, chegando à cifra global de 61%, a mais alta dos últimos seis meses.

Saiba mais

Trump também perde entre os cidadãos brancos sem estudos universitários, que foram sua principal fonte de votos nas eleições, com rejeição de 50% e uma aprovação de 43%. Entre os republicanos, 76% o aprovam e 17% o rejeitam. Além disso, 52% dos entrevistados desaprovam sua gestão da economia, 59% são contrários à política externa, o mesmo percentual que rejeita a política migratória, enquanto 65% não são favoráveis à administração da saúde.

Leia mais notícias em Mundo
Sobre a personalidade do presidente, 62% acreditam que ele é desonesto, 63% consideram que ele não tem habilidades de liderança e 59% afirmam que ele não se preocupa com o americano médio. Além disso, 69% querem que Trump pare de usar o Twitter.
A pesquisa foi feita entre 27 de julho e 1º de agosto, dias depois que Trump e os republicanos fracassaram em sua tentativa de derrubar o Obamacare (sistema de saúde criado pelo governo Obama) e substituí-lo com uma reforma que deixaria milhões de americanos sem cobertura médica. O levantamento foi feito com 1.125 eleitores de todo o país e tem margem de erro de 3,4%
Apenas 33% dos americanos aprovam primeiro semestre de Trump na presidência
Rate this post
Parlamento francês proíbe deputados de contratar familiares
Rússia denuncia "guerra econômica" iniciada por Washington