Big Ben ficará em silêncio por quatro anos para manutenção

Justin Tallis / AFP - 29/03/2017 As obras servirão para restaurar e reparar a esfera do relógio e seu mecanismo, suas campainhas e a estrutura dessa torre de 96 metros construída em 1856

Londres, Reino Unido – O Big Ben deixará de marcar as horas por quatro anos a partir de 21 de agosto próximo para a restauração do famoso relógio e da torre do Parlamento britânico – informou a instituição nesta segunda-feira (14/8). “Na segunda 21 de agosto ao meio-dia, as famosas campanadas do Big Ben soarão pela última vez antes do início de grandes obras de reforma”, anunciou o Parlamento em um comunicado.

“As campanadas voltarão a marcar as horas no decorrer de 2021”, acrescenta o comunicado, sem especificar uma data. “O silêncio do Big Ben é um marco nesse projeto crucial de manutenção. Como encarregado do grande relógio tenho a honra de garantir que essa peça de engenharia vitoriana está nas melhores condições dia a dia”, disse Steve Jaggs, responsável pelo monumento.
“Este programa essencial de obras protegerá o relógio em longo prazo, além de proteger e preservar seu lar, a Torre Elizabeth”, acrescentou Jaggs, convidando o público a “se concentrar na Praça do Parlamento para ouvir as últimas campanadas, até seu retorno em 2021”.
Leia mais notícias em Mundo
As obras servirão para restaurar e reparar a esfera do relógio e seu mecanismo, suas campainhas e a estrutura dessa torre de 96 metros construída em 1856. Também será instalado um elevador, como alternativa aos 334 degraus que levam ao alto da torre. O nome Big Ben se refere estritamente ao sino do grande relógio, mas é usado, em geral, para dar nome ao conjunto da torre e seu relógio.
O sino pesa 13,7 toneladas e soa a cada hora. É acompanhado de outros quatro sinos a cada 15 minutos. O Big Ben funcionou quase sem interrupções nos últimos 157 anos, salvo em duas pausas de manutenção e renovação em 2007 e em 1983-85.
Big Ben ficará em silêncio por quatro anos para manutenção
Rate this post
Tempestades matam pelo menos sete pessoas no norte da China
Eclipse solar permitirá a cientistas mais conhecimento sobre o universo