Buriti e Planalto são iluminados com as cores da bandeira da Catalunha

Bárbara cabral/Esp. CB/D.A Press Palácio do Planalto

As sedes dos poderes executivos nacional e do Distrito Federal — os palácios do Planalto e do Buriti — foram iluminadas na noite desta quinta-feira (17/8) com as cores da bandeira da Catalunha, em homenagem às vítimas do atentado que deixou ao menos 13 mortos e mais de 100 feridos em Barcelona.

Leia mais notícias em Mundo 

Em nota divulgada pelo Itamaraty, o governo brasileiro “deplorou veementemente” o ataque na capital catalã e reiterou “a condenação a todo e qualquer ato de terrorismo, qualquer que seja sua motivação”. O texto manifesta “consternação” pelas vítimas e seus familiares e votos pela recuperação dos feridos.

GDF/Divulgação Palácio do Buriti

 

 
Atentado

Pelo menos 13 pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridas nesta quinta-feira em Barcelona, quando uma van avançou sobre uma multidão em Las Ramblas, turística avenida da capital catalã, em um ataque terrorista reivindicado pelo grupo extremista Estado Islâmico.

 

Saiba mais

“Podemos confirmar que já são 13 mortos e que há mais de 100 feridos”, informou em coletiva o ministro do Interior do governo catalão, Joaquim Forn. O número de mortos pode aumentar pela gravidade de alguns feridos, advertiu.

Horas após o ataque em Barcelona, a polícia anunciou a morte de “quatro supostos terroristas” em Cambrils, 120 km a sudoeste da capital catalã. De acordo com o governo, seis civis e um policial ficam feridos na segunda ação.

“Quatro supostos terroristas foram abatidos em Cambrils e um quinto está ferido”, anunciou a polícia, sem precisar se há ligação entre o grupo e o ataque em Barcelona.

O atropelamento foi reivindicado pela organização ultrarradical em um comunicado divulgado por sua agência de propaganda Amaq: “os autores do ataque de Barcelona eram soldados do Estado Islâmico”. 

Buriti e Planalto são iluminados com as cores da bandeira da Catalunha
Rate this post
Perfil: Paulo Silvino, o coadjuvante que todo protagonista queria ao lado
Justiça cassa domiciliar e Abdelmassih deverá voltar à prisão