China pede a Trump que não vincule relação comercial com Coreia do Norte

 AFP / Nicholas Kamm

A China pediu nesta segunda-feira ao governo dos Estados Unidos que não vincule a questão nuclear na Coreia do Norte às relações comerciais entre os dois países, depois que o presidente americano Donald Trump acusou Pequim de inação ante Pyongyang.   

“Consideramos que o programa nuclear norte-coreano e os intercâmbios comerciais entre China e Estados Unidos são dois temas distintos, que integram âmbitos completamente diferentes”, afirmou o vice-ministro chinês do Comércio, Qian Keming. “Estes assuntos não devem ser tratados conjuntamente”, insistiu.
“As relações comerciais sino-americanas, em conjunto, são mutuamente benéficas para os dois países e os Estados Unidos tiraram grande proveito do comércio bilateral e das cooperações em termos de investimentos cruzados”, completou o vice-ministro.

Saiba mais

As declarações foram uma resposta à acusação que Donald Trump fez no sábado no Twitter, na qual parecia agitar o fantasma das represálias contra a China, que acusou de fazer muito pouco a respeito da Coreia do Norte, após um novo lançamento de míssil balístico intercontinental (ICBM) de Pyongyang, o segundo em um mês.

“Estou muito decepcionado com a China (…) Não fazem NADA por nós em relação à Coreia do Norte, apenas falar”, queixou-se em uma série de tuítes.  “Não permitiremos que isso continue. A China poderia resolver isso facilmente!”, completou.
O líder norte-coreano Kim Jong-Un declarou que “todo o território continental dos Estados Unidos” está a seu alcance, “em qualquer lugar e momento”. Em várias oportunidades Trump exigiu que a China contenha as aspirações do vizinho, mas Pequim, que interrompeu as importações de carvão norte-coreano, insiste que a única solução possível é o diálogo.
A China, principal aliado de Pyongyang, condenou o lançamento de sexta-feira e pediu ao regime norte-coreano que respeite as resoluções do Conselho de Segurança da ONU e moderação a “todas as partes”.
“A Coreia do Norte é uma ameaça direta, séria e grave para Estados Unidos, Japão, Coreia do Suk e outros países próximos e afastados”, concordaram no domingo à noite Donald Trump e o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, durante uma conversa telefônica, segundo um comunicado divulgado pela Casa Branca.
Os dois governantes se comprometeram a “aumentar a pressão econômica e diplomática” contra Pyongyang e a “convencer outros países”. O secretário de Estado americano, Rex Tillerson, declarou no fim de semana que, “como principais apoios econômicos do programa de desenvolvimento de armas nucleares e mísseis balísticos” da Coreia do Norte, “China e Rússia têm a única e particular responsabilidade por esta crescente ameaça à estabilidade da região e do planeta”.
Como resposta ao lançamento do míssil norte-coreano, Estados Unidos e Coreia do Sul realizaram exercícios militares conjuntos no sábado. Seul anunciou que tem a intenção de acelerar a instalação em seu território do sistema de intercepção americano THAAD (Terminal High Altitutd Area Defense).
Pequim advertiu que isto “complicaria ainda mais a situação”. A respeito do comércio, Washington critica as medidas consideradas protecionistas de Pequim, às quais atribui o déficit comercial com o gigante asiático de 309 bilhões de dólares no ano passado.
China pede a Trump que não vincule relação comercial com Coreia do Norte
Rate this post
Coreia do Sul revisa acordo com Japão sobre escravas sexuais
Mesmo com Exército nas ruas, violência ainda preocupa carioca