‘Continuo sendo a procuradora’ da Venezuela, diz Ortega após destituição

AFP / Federico PARRA

A advogada Luisa Ortega voltou a desconsiderar, neste domingo, sua destituição como procuradora-geral da Venezuela por parte da Assembleia Constituinte, que, segundo ela, é o “poder de fato” que governa o país agora. “Eu desconheço essa remoção, continuo sendo a procuradora-geral deste país”, disse Ortega um dia após ser destituída pela Constituinte do presidente Nicolás Maduro, com quem rompeu há quatro meses após anos de orientação governista.

A ex-funcionária insistiu em que esta assembleia, que no sábado iniciou os trabalhos tirando-a do cargo, é “ilegítima e inconstitucional”. “Estamos diante de um poder de fato, aqui não há governo. Quem ocupa ilegalmente o poder é essa Assembleia Nacional Constituinte presidencial”, destacou Ortega, que se declara chavista.

Saiba mais

Ela disse, ainda, que a decisão de destituí-la, que teve alto repúdio internacional, foi uma “ordem do Executivo”. “O que a Constituinte está fazendo é perseguir; foi convocada ilegalmente. A eleição também foi, a participação foi muito pequena e as poucas pessoas que compareceram, o fizeram obrigadas”, acrescentou Ortega, assegurando que o Ministério Público recebeu denúncias de instituições públicas que obrigaram seus funcionários a votar.

Os mais de 500 integrantes da Constituinte, instalada na sexta-feira em meio ao forte repúdio internacional, foram eleitos com mais de oito milhões de votos, segundo o poder eleitoral, mas a oposição não a reconhece e denuncia que é uma fraude para instaurar uma “ditadura comunista”.

‘Continuo sendo a procuradora’ da Venezuela, diz Ortega após destituição
Rate this post
Homem é morto em manifestação perto de base militar atacada na Venezuela
Paquistão ordena estupro de uma adolescente como castigo por outro abuso