Da Paraíba, cientistas brasileiros vão mapear a energia escura do Universo

A parte escura do espaço já tinha sido prevista por Albert Einstein, em 1917, ao avaliar a existência de um Universo finito(foto: AFP)A parte escura do espaço já tinha sido prevista por Albert Einstein, em 1917, ao avaliar a existência de um Universo finito (foto: AFP)

 

Um projeto liderado por cientistas brasileiros pretende usar ondas de rádio para mapear e descobrir detalhes sobre a energia escura, que preenche cerca de 73% do Universo. Há décadas, os mistérios acerca dessa força e da matéria escura, que não reflete nem absorve a luz, intrigam os astrônomos. Apesar de 95% do cosmo ser integrado por esses dois componentes, suas propriedades continuam desconhecidas. Mas uma poderosa antena que será instalada no interior da Paraíba poderá apontar a chave para abrir a porta desse segredo.
A parte escura do espaço já tinha sido prevista por Albert Einstein, em 1917, ao avaliar a existência de um Universo finito. Os pesquisadores notaram, com o passar do tempo, que a energia escura é a responsável pela expansão de forma acelerada do cosmo. Uma força de repulsão faz com que galáxias inteiras se afastem de forma constante. O projeto BINGO (sigla para BAO from Integrated Neutral Gas Observations) pretende utilizar ondas de rádio produzidas pelo hidrogênio para mapear a energia e matéria escura.
O hidrogênio é o elemento visível mais abundante no espaço, espalhado em forma de gás entre planetas, sistemas estelares e galáxias. Esse elemento produz uma onda de rádio hiperfina, que pode ser captada da Terra com o uso de instrumentos como o que será construído no Nordeste do país. O telescópio poderá também revelar detalhes sobre misteriosos sinais de rádio que chegam ao nosso planeta.
O local de instalação do equipamento fica longe dos centros urbanos e foi escolhido estrategicamente. Para escutar os sons do Universo, é necessário que a região não tenha quase nenhuma interferência humana, como radiação proveniente de aparelhos de micro-ondas ou de estações de rádio.
O projeto, que é financiado principalmente pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), prevê a construção de uma astroantena de 40m de altura e dois espelhos, ao custo inicial de R$ 4 milhões. A empreitada é coordenada pelo físico teórico Elcio Abdalla, da Universidade de São Paulo (USP). Ao Correio, o pesquisador conta que descobrir os fenômenos do Universo é sempre uma tarefa difícil (confira entrevista completa abaixo). “O estudo dos Céus envolve dificuldades. Até 100 anos atrás, mal sabíamos da existência de galáxias. Há 50 anos, pensávamos que o Universo fosse constituído apenas daquilo que pudéssemos ver, ou seja, prótons e elétrons”, afirma Abdalla.
antena de telescópio que será instalada no interior da Paraíba(foto: USP/Divulgação)antena de telescópio que será instalada no interior da Paraíba (foto: USP/Divulgação)

Fazem parte do projeto pesquisadores de universidades do mundo todo, como a University College de Londres; o ETH, de Zurique, na Suíça; a Universidade da República do Uruguai; e a Universidade de Portsmouth, da Inglaterra. A parte de tecnologia e desenvolvimento do telescópio está sendo realizada pelo Brasil, que ganha a oportunidade de avançar em sua tecnologia em computação, eletrônica fina, guias de onda e análise de dados, entre outras. A ação também deve gerar emprego para moradores da região. 

Confira a entrevista do Correio com o professor Elcio Abdalla, coordenador-geral do BINGO:

Qual o objetivo do projeto BINGO?

O projeto BINGO visa levantar dados que corroborem ou não certos aspectos teóricos da cosmologia, o estudo do Universo a grandes distâncias, e a observação de misteriosos jatos de rádio vindos do espaço. Em particular, queremos compreender o Setor Escuro do Universo,que representa cerca de 95% do conteúdo material do Universo. A estrutura do Setor Escuro é completamente desconhecida, representando um enorme passo em direção a uma visão cosmológica mais abrangente.

Qual a participação da USP e do senhor no projeto?

Sou o coordenador geral do projeto. Lidero um grupo de cerca de 15 pesquisadores e estudantes graduados que estudam várias facetas do projeto. O Brasil tem largo protagonismo neste empreendimento.

Serão instaladas duas antenas na Paraíba, para a captação de ondas de rádio que vem do espaço? Por que foi escolhido este local?

Será um observatório complexo, com dois espelhos e 30 a 50 enormes cornetas de alumínio que vão coletar as informações. O local foi escolhido em vista da pouca poluição eletromagnética na forma de ondas de rádio, transponderes de aviões e outras fontes.

Como a onda de radiação, com comprimento de de 21 cm, correspondente ao sinal do Hidrogênio, pode ajudar na descoberta de características da matéria escura?

A matéria escura, pelo que se tem observado, segue o mesmo padrão da distribuição de bárions (prótons e nêutrons). Além disto, o tamanho das ondas gigantescas de Hidrogênio são parâmetros importantes da Equação de Einstein que levam a vínculos nas características do Setor Escuro.
A intenção é mapear a matéria escura existente? É verdade que atualmente se acredita que a energia escura ocupa 73% do Universo?
Sim, a Energia Escura perfaz cerca de 70% do Universo e a Matéria Escura, cerca de 25%. De fato, um dos grandes interesses é saber as propriedades intrínsecas de ambos, mais que a distribuição dos mesmos.
É o INPE que está financiando o projeto?
O INPE é co-participante, o Professor Alex Wuensche é co-coordenador. O financiamento é principalmente da FAPESP, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo.
Qual universidade ou quais universidades brasileiras estão a frente das pesquisas?
São a USP, o INPE e a UFCG (Universidade Federal de Campina Grande).
Existe cooperação internacional?

Sim, é grande: Reino Unido (Manchester, Londres, Porthsmouth) Universidade de Paris, ETH (Zurique) Kwazulu Natal (Africa do Sul) YangZhou (China).

O senhor sabe o custo da construção das antenas? Qual o legado que o projeto pode deixar para o Brasil e para a ciência?

As cornetas estão orçadas em cerca de 4 milhões de reais, dependendo do número e do tipo de dificuldade a ser encontrado. Para o Brasil, além da ciência a ser encontrada, acima descrita, há um conhecimento tecnológico na construção de filtros de rádio, guias de ondas, eletrônica fina, computação e análise de dados.
Da Paraíba, cientistas brasileiros vão mapear a energia escura do Universo
Rate this post
Brasileiro que foi estudar na Irlanda desaparece em subúrbio de Dublin
Civis são retirados de Guta no dia em que guerra da Síria completa 8 anos