Delegacia de Teresina investiga novo caso de estupro virtual contra mulher

Pires explica que não pode dar detalhes sobre o novo caso porque ele corre em segredo de Justiça, mas confirma que, como aconteceu com a primeira vítima, uma mulher foi ameaçada e coagida a praticar atos libidionosos e transmiti-los pela internet contra sua vontade. 
No caso já julgado, o condenado ameaçou divulgar fotos íntimas de uma ex-namorada, estudante universitária de 32 anos. Para evitar a exposição, ela teve de enviar fotos e vídeos de conteúdo íntimo para ele.

 
Atentado à liberdade sexual 

O advogado Fernando Peres, especialista em crimes cibernéticos, explica que o termo “estupro virtual” descreve um estupro que ocorreu em ambiente virtual. O crime de esturpo, esclarece, não ocorre somente quando há conjunção. Basta que alguém seja forçado a realizar ações que atentem contra sua liberdade sexual. 
Peres acredita que não há necessidade de criar leis que abranjam, exclusivamente, o ambiente virtual, mas defende o aumento de pena para esses tipos de crimes. “Deveria ter um acréscimo de pena, porque quando algum material cai na internet, perde-se o controle. O fato traumatiza a vítima para sempre. Já vi pessoas tirarem a própria vida por situações similares”, pontuou.
O especialista afirma que, por mais que haja cuidado nas redes sociais, a internet ainda dá uma falsa sensação de anonimato e liberdade. Assim, ações que não seriam realizadas fisicamente acabam acontecendo no mundo virtual. “Nos crimes contra a honra, calúnia e difamação, se forem cometidos por meios que facilitam a divulgação, como é a internet, deveria ter consequências mais graves. Sites de cunho adulto, por todo o mundo, capturam informações desse tipo”, acrescenta. 

Mulheres vítimas 

De acordo com Peres, em seu escritório, a maioria dos casos de pessoas que sofrem com esse tipo de ameaça e violência é mulher. E, para ele, não é uma coincidência. “Em tempos de ‘manda nudes’, os ‘prints’ têm sido cada vez mais comuns. Há também pessoas que querem conseguir as imagens a qualquer preço, daí invadem um dispositivo, divulgam o conteúdo e ameaçam a vítima”. Para o advogado, é preciso empoderar as mulheres para conscientizá-las de que a denúncia pode ajudá-las: “Algumas delas têm medo ou acham que não se enquadram em situações criminosas”.
Para o delegado Daniell Pires, é muito importante a atenção do Legislativo para acompanhar as novas tecnologias, que são, cada vez mais, utilizadas em condutas criminosas: “As relações de convivência e consumo se dão mais no mundo virtual e físico, então é lógico que os crimes tendem a migrar”. 
Delegacia de Teresina investiga novo caso de estupro virtual contra mulher
Rate this post
Los Angeles pinta suas ruas de branco para baixar os termômetros
Suspeito de ataque com carro nos EUA tinha 'crenças radicais'