Engenheiro do Google defende predomínio masculino no Vale do Silício

Loic Venance / AFP - 28/12/2017 O Google encontrou-se no centro da controvérsia depois que um documento interno vazado afirmou que “causas biológicas” explicava a falta de mulheres na liderança da indústria de tecnologia

Nova York, Estados Unidos – O Google está no centro de uma polêmica desde domingo (6/8), depois que um de seus funcionários tentou justificar em um comunicado interno a ausência de diversidade no Vale do Silício e afirmou que a reduzida presença de mulheres é provocada por diferenças biológicas. 

A nota, considerada “sexista” pela imprensa americana, reavivou o atual debate sobre a existência de uma “cultura sexista e de assédio” no conglomerado de tecnologia, amplamente dominado pelos homens. Na carta de 3 mil palavras, o funcionário, um engenheiro, afirma que “as opções e as capacidades de homens e mulheres divergem, em grande parte devido a causas biológicas, e estas diferenças podem explicar por quê não existe uma representação igual de mulheres (em posições) de liderança”. 
As aptidões naturais levam os homens a ser programadores de informática, enquanto as mulheres são, de acordo com o profissional que não teve a identidade revelada, mais proclives “aos sentimentos e à estética que às ideias”, o que as leva a escolher carreiras nas áreas “social e artística”. 
Leia mais notícias em Mundo
“Não é um ponto de vista que a empresa e eu mesmo respaldemos, promovamos ou incentivamos”, respondeu em um e-mail aos funcionários Danielle Brown, diretora da área de diversidade, que trabalhava na Intel e foi contratada pelo Google há apenas um mês. De acordo com sua mensagem, o debate interno na empresa está estimulado pelos “princípios de igualdade no emprego, que podem ser observados em nosso código de conduta, nossas políticas e nossas normas antidiscriminatórias”.  
Mas ela destaca que o Google sempre defendeu “uma cultura na qual aqueles que têm pontos de vista diferentes, inclusive políticos, sintam-se seguros de poder expressá-los”. Procurada pela AFP, a empresa não fez comentários. Não foi possível saber se o grupo pensa em adotar alguma medida contra o engenheiro. A publicação da nota pelo site Motherboard aconteceu após vários escândalos e demissões vinculadas à ausência de diversidade em empresas emblemáticas do Vale do Silício, como Uber. 
Engenheiro do Google defende predomínio masculino no Vale do Silício
Rate this post
União Europeia critica destituição de procuradora-geral da Venezuela
Maduro promete "pena máxima" a responsáveis por ataque a base venezuelana