‘Foi por perversidade’, diz delegado sobre vigia que ateou fogo em creche

Reprodução internet/Facebook Vigia Damião Soares dos Santos

 

“Foi sadismo. Ele fez isso por perversidade. Ele fez para chamar atenção, para chocar. Fez para marcar o seu nome no rol dos canalha do Brasil”, relatou o Delegado Regional de Janaúba Bruno Fernandes Barbosa sobre o crime praticado poe Damião Soares dos Santos, de 50 anos, na última quinta-feira. Na ocasião, o vigia do Centro Educacional Gente Inocente, em Janaúba, ateou fogo a si mesmo e às crianças e funcionários da creche. Já chega a 9 o número de crianças mortas na tragédia, que também resultou na morte de uma professora e do agressor.

Saiba mais

Em coletiva da Polícia Civil, na manhã desta terça-feira (10/10), a corporação reafirmou que Damião Soares premeditou o crime – que aconteceu três anos após a morte de seu pai. Segundo Bruno Fernandes Barbosa, o médico legista atestou que no momento do crime Damião não estava sob efeito surto e ele tinha plena capacidade de entender o caráter ilícito de sua conduta. 

“Na noite anterior, o autor dormiu na casa da mãe, que fica mais próxima da creche, o que reforça a ideia de que o crime foi planejado. Ele também acumulou uma quantidade razoável de gasolina em casa para incendiar a creche”, afirma. 
As investigações apontam que Damião sofria de uma doença mental, o delírio persecutório. Mas, até então, não tinha demonstrado nenhum fator de irritabilidade. “Ele tinha uma personalidade voltada para violência”, afirma. Ainda segundo ele, a polícia apurou que essa síndrome fez com que ele tenha optando por morar sozinho, abandonando a sua família: “Isso também fez com que não chamasse a atenção de ninguém”, completou. 
A Polícia Civil já ouviu 15 pessoas entre vítimas e testemunhas, alem de moradores que ajudaram a salvar as crianças do incêndio. A corporação também investiga da o Munício de Janaúba também responderá pelo fato já que a creche não tinha extintor, sistema anti-fogo e nem alvará do Corpo de Bombeiros. 

Segurança

O Senador Magno Malta, presidente da CPI de Maus Tratos Infantis, visitou Janaúba na manhça desta terça-feira. O caso da creche “Gente Inocente” vai servir de referência para criar novas exigências de segurança para construir creches e lidar com instituições de assistência a infância no Brasil. Como, por exemplo, exigências de sistemas de prevenção de incêndio, hidrantes, além de seleção e treinamento e funcionários mais simples como vigilantes. 
Além disso, proibir  o uso de materiais altamente inflamáveis como forro de PVC. Segundo ele, o ocorrido em Janaúba vai servir de base para se criar medidas protetivas pra as crianças e oferecer subsídios para a Lei de Responsabilidade Humana proposta pela CPI. Malta Tam defendeu mudanças e melhorias na estrutura dos conselhos tutelares dos direitos da criança e do adolescente. “Atualmente, os conselhos tutelares no Brasil são um lixo”, afirmou o senador.
‘Foi por perversidade’, diz delegado sobre vigia que ateou fogo em creche
Rate this post
Temer libera R$ 8,7 milhões para ajudar Janaúba após tragédia em creche
Chimpanzés fogem, tentam entrar em casa e apavoram família em SP