Japão instala sistemas antimísseis no país por ameaça norte-coreana

South Korea OUT / REPUBLIC OF KOREA OUT O regime norte-coreano fez o último lançamento de um míssil balístico na sexta-feira (15/9), despertando o alarme no Japão

O Japão instalará nesta terça-feira (19/9) um novo interceptador de mísseis PAC-3 na ilha setentrional de Hokkaido, em resposta aos dois últimos projéteis lançados pela Coreia do Norte que sobrevoaram o Norte do país, confirmou à Agência EFE o Ministério de Defesa.

A instalação do sistema antimísseis Patriot Advanced Capability 3 (PAC-3) em uma base militar da cidade de Hakodate ocorre quatro dias depois de o regime de Kim Jong-un realizar seu último lançamento de um projétil de médio alcance, que caiu no Oceano Pacífico após sobrevoar essa área do Japão.
A Coreia do Norte, que ameaçou recentemente o Japão dizendo que iria “afundar seu território” com uma bomba nuclear, pelo apoio dado às sanções promovidas pelos Estados Unidos (EUA), também lançou outro míssil que sobrevoou o norte do Japão em 29 de agosto.
Leia mais notícias em Mundo
O porta-voz de Defesa afirmou hoje que “o país vigia os movimentos da Coreia do Norte” de um possível novo lançamento.
Tóquio, que não confirma o número de lançadores instalados no país por questões de segurança, já ampliou, em meados de agosto, o seu sistema antimísseis em várias prefeituras do oeste do país, depois que o governo norte-coreano ameaçou lançar quatro mísseis para a ilha americana de Guam. que sobrevoariam essas áreas.
As operações antimísseis do Japão utilizam destroyers Aegis, da Marinha, para derrubar mísseis aerotransportados, e o PAC-3 para resistir aos projéteis. O regime norte-coreano fez o último lançamento de um míssil balístico na sexta-feira (15/9), despertando o alarme no Japão e as críticas da comunidade internacional pelos seus persistentes testes de armas.
Japão instala sistemas antimísseis no país por ameaça norte-coreana
Rate this post
Na ONU, Temer fala que reformas estruturais ajudam país a superar crise
Trump diz que Venezuela 'está desabando' e seu povo morre de fome