Limite de 1,5ºC no aumento da temperatura ainda pode ser atingido até 2100

AFP / John MACDOUGALL “Não Trump nosso planeta”: em Berlim, manifestantes criticaram a postura do presidente norte-americano
Apesar de tudo parecer contrário à consolidação do Acordo de Paris, um estudo publicado ontem na revista Nature Geosciences indicou que o objetivo principal do compromisso ainda tem potencial de ser alcançado. Os autores, porém, avaliaram modelos geocientíficos e não consideraram as intempéries políticas que rondam o texto consolidado na capital francesa. Segundo o artigo, liderado por pesquisadores da Universidade de Oxford, o mundo ainda pode emitir 240 bilhões de toneladas de dióxido de carbono — o equivalente a 20 anos das emissões atuais — e conseguir chegar a 2050 com a temperatura limitada a 1,5ºC daquela registrada na era pré-industrial.

Leia mais notícias em Ciência e Saúde

De acordo com Myles Allen, professor do Instituto de Mudanças Ambientais da Universidade de Oxford, para isso, o mundo “terá de seguir as reduções ambiciosas” do acordo, contudo. Em uma teleconferência de imprensa, o principal autor do trabalho, Richard Millar, também de Oxford, afirmou que os países podem cumprir o Acordo de Paris, caso se mostrem bastante comprometidos. “Algo que não estamos vendo até agora”, ressaltou.
Segundo os pesquisadores, as estimativas pessimistas de que não seria possível alcançar a meta se baseavam em modelos e projeções já ultrapassadas. Um deles, produzido pelo Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) da Organização das Nações Unidas (ONU), por exemplo, estimava que em cinco anos, o limite de 1,5ºC já seria atingido. “Muita gente disse que 1,5ºC simplesmente não seria possível”, disse Myles Allen. “Mas nosso trabalho mostra que há uma chance de 66% de se alcançar a meta em 2100, caso o orçamento de carbono (quantidade que se pode emitir para se chegar a determinada temperatura) seja de 240 bilhões de toneladas e carbono e assumindo que outros gases de efeito estufa, como metano, também estão sob controle”, afirma.

Ambição

Os cientistas explicaram que um cenário usado frequentemente para medir a ambição nos cortes de carbono, chamado RCP2.6 pelo IPCC, projeta cortes cada vez maiores de CO2 à medida que o tempo passa. Contudo, outro autor do estudo, Michael Grubb, da Universidade College London, diz que isso é praticamente impossível, e que reduções como as esperadas por esse modelo só foram viáveis em momentos de crise política e econômica, como a depressão de 1930, a Segunda Guerra Mundial e o fim da União Soviética. Ele defende cortes menores, contudo iniciados de imediato.
Para Grubb, o movimento de saída dos EUA do Acordo de Paris não deve provocar o impacto negativo sob as metas, conforme se imagina. De acordo com ele, outros países, assim como cidades e estados norte-americanos estão colocando pressão no corte de emissões, principalmente devido ao atrativo econômico oferecido por meios de energia renovável, cada vez mais barata. Ainda assim, Grubb avisa: “A começar pela revisão global das metas no próximo ano, os países têm de deixar a economia do carvão e fortalecer metas existentes para manter as portas abertas aos objetivos de Paris. O quanto antes as emissões começaram  a cair, menor o risco não apenas de crises climáticas maiores, mas também de crises econômicas que podem ocorrer, caso seja necessário fazer reduções a taxas sem precedentes”.

Trump volta a atacar

O governo norte-americano voltou a dizer, ontem, que os Estados Unidos devem abandonar o Acordo de Paris, celebrado em dezembro de 2015. O principal conselheiro econômico de Donald Trump, Gary Cohn, reiterou a ministros do meio ambiente reunidos em Montreal, no Canadá, que o presidente continua firme na decisão de virar as costas aos objetivos e metas acordados por 195 países na Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP) ocorrida na capital francesa. Em junho, o presidente norte-americano disse, em um discurso, que, “sendo uma pessoa extremamente preocupada com o meio ambiente como eu sou, acho inadmissível que os Estados Unidos permaneçam em um acordo 
que os prejudicarão”.
Limite de 1,5ºC no aumento da temperatura ainda pode ser atingido até 2100
Rate this post
Cuba adia eleições em um mês devido aos danos causados pelo furacão Irma
Trump faz estreia na ONU com foco em Venezuela e reformas