Macron enfrenta primeiro teste com manifestações contra reforma trabalhista

Christian Liewig/ AFP A meta de Macron é dar mais flexibilidade às empresas para estimular as contratações e frear o desemprego

Paris, França – O presidente francês, Emmanuel Macron, enfrenta nesta terça-feira (12/9), em plena queda de popularidade, o primeiro dia de manifestações contra sua reforma trabalhista, um teste para sua capacidade de transformar a segunda maior economia europeia.

Mais de 180 protestos estão previstos em toda a França contra o projeto que pretende flexibilizar o mercado de trabalho, fundamental no programa de governo de Macron, que almeja reduzir consideravelmente o índice de desemprego, atualmente próximo de 10%. O sindicato CGT anunciou greves na empresa ferroviária pública (SNCF), na companhia aérea Air France, nas refinarias, no setor energético e entre os funcionários públicos.

Saiba mais

Mas o jovem presidente de 39 anos não tem a intenção de recuar na reforma, uma de suas promessas de campanha. Em um discurso na sexta-feira, ele reiterou sua “determinação absoluta” e advertiu que não cederá nada aos “preguiçosos, cínicos ou extremistas”.

Leia mais notícias em Mundo
Palavras que podem ser usadas contra o presidente. “Imbecis, cínicos, preguiçosos… Todos às ruas!”, respondeu imediatamente no Twitter o líder da esquerda radical Jean-Luc Mélenchon, que se tornou o principal opositor a Macron. Para Bruno Cautrès, do centro de estudos políticos Cevipof, Emmanuel Macron “está jogando lenha na fogueira” e pode agravar o cenário. 
Primeiro grande desafio de seu mandato, a reforma trabalhista de Macron pretende reforçar o papel negociador das empresas sobre as condições de trabalho e limitar as indenizações por demissão sem justa causa.Para impor as mudanças, Macron optou pelo método acelerado de decretos, com o objetivo de evitar um longo processo de debate legislativo.
Os cinco decretos serão apresentados ao Parlamento para sua aprovação até o fim de 2017. A Câmara dos Deputados, onde Macron tem ampla maioria, não pode apresentar emendas a seu conteúdo: pode apenas aprovar ou rejeitar o texto.
A meta de Macron é dar mais flexibilidade às empresas para estimular as contratações e frear o desemprego, que afeta 9,5% da população ativa na França, contra a média de 7,8% na Europa.
Macron enfrenta primeiro teste com manifestações contra reforma trabalhista
Rate this post
China deve retirar 500 mil pessoas de suas casas com chegada do Tufão Talim
Irma perde força após atingir Flórida; milhões ainda estão sem energia