Macron quer reconquistar militares após polêmica sobre cortes

 Christophe Archambaul /AFP

O presidente francês, Emmanuel Macron, homenageou nesta quinta-feira (20/7) a ação dos militares do país, em uma tentativa de melhorar a situação depois da renúncia do chefe do Estado-Maior do Exército que discordou dos cortes previstos para Defesa. “O trabalho da Força Aérea e de todo o Exército é necessário e o respeito profundamente […] sei o que a nação lhes deve”, declarou Macron em um discurso na base aérea de Istres, no sul da França.

Em uma tentativa de reconquistar o Exército francês após a demissão no dia anterior de seu máximo responsável, o general Pierre de Villiers, Macron reafirmou o seu compromisso de aumentar o orçamento do Ministério da Defesa a 2% do PIB para o ano de 2025, contra o 1,8% atual.

Saiba mais

  • FMI elogia reformas 'ambiciosas' do presidente Macron na França

    FMI elogia reformas ‘ambiciosas’ do presidente Macron na França

  • Macron pressiona Alemanha a se comprometer mais com zona do euro

    Macron pressiona Alemanha a se comprometer mais com zona do euro

  • Macron apresenta plano de cinco anos para França e promete reforma radical

    Macron apresenta plano de cinco anos para França e promete reforma radical

Assegurou também que em 2018 o único ministério que contará com um aumento de orçamento será o da Defesa, com uma dotação de 34,2 bilhões de euros. “Estes são os meus compromissos e cumprirei com eles”, assinalou o presidente.

Leia mais notícias em Mundo
Sobre a polêmica do corte de 850 milhões no gasto militar contemplado para 2017, o presidente considerou que “coletivamente merecemos mais do que esse tipo de debate”. Assegurou também que os cortes na Defesa, que fazem parte de uma redução prevista de 4,5 bilhões de euros no gasto do Estado em 2017, não terão “nenhum impacto nem na estratégia nem nas capacidades” da Defesa.
Em desacordo com o chefe de Estado sobre os cortes orçamentários previstos, o general cinco estrela pediu demissão na quarta-feira(19/7). O substituto de De Villiers, o general François Lecointre, um herói de guerra de 55 anos, que foi visto em vários fronts, incluindo Iraque e Sarajevo, acompanhou Macron durante a sua vista a Istres.
Macron quer reconquistar militares após polêmica sobre cortes
Rate this post
Venezuela semiparalisada por protesto contra Constituinte de Maduro
Seis meses de Trump: o que ele pode fazer para salvar 2017 e vencer 2020