Maduro acusa Trump de ameaça de morte

AFP / FEDERICO PARRA

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou seu homólogo americano, Donald Trump, de tê-lo ameaçado de morte durante o discurso proferido nesta terça-feira na Assembleia Geral das Nações Unidas.
“Donald Trump hoje ameaçou de morte o presidente da República Bolivariana da Venezuela”, disse Maduro para centenas de partidários após uma “passeata anti-imperialista” em Caracas.
“A agressão do novo Hitler da política internacional, do senhor Donald Trump, contra o povo da Venezuela, a supremacia racial, imperial, hoje se manifestou”.
Da varanda do Palácio Presidencial de Miraflores, Maduro também acusou Trump de ter lançado uma “baforada de ódio e guerra” contra a Venezuela em seu discurso na Assembleia Geral da ONU.
“Fanfarrices! Que Donald Trump engula suas palavras (…), passará a história e a revolução bolivariana sempre estará aqui, de pé”, afirmou Maduro.
Diante de 130 líderes mundiais, Trump definiu nesta terça-feira o governo Maduro como uma ditadura socialista “inaceitável”, e garantiu que ajudará os venezuelanos a restaurar a democracia.
“Não podemos ficar à margem e apenas observar”, disse Trump, que já impôs sanções financeiras à Venezuela e a Maduro, e não descarta uma “opção militar” diante da grave crise política e econômica venezuelana.
Segundo Maduro, o presidente americano pensa “que a Venezuela é um prédio de Nova York e que ele pode  chantagear os moradores para vender seus apartamentos, o seu país”. 
Mas a “Venezuela não é uma imobiliária de Nova York, é a terra que pariu os homens e mulheres mais heroicos desta terra”.
Maduro acusa Trump de ameaça de morte
Rate this post
Entidades protestam contra retrocessos socioambientais
Itamaraty diz que não há brasileiros entre os mortos do terremoto no México