Maduro afirma que ‘ditadura imperialista’ proibiu sua versão de ‘Despacito’

 Juan Barreto / AFP - 07/04/2016 Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, disse nesta terça-feira ser “vítima de uma perseguição mundial” vinda de Miami com a proibição uma versão da música “Despacito” com a qual promove a Assembleia Constituinte. 

“Saíram de Miami para proibir o vídeo de Maduro. É um vÍdeo proibido no mundo, pela ditadura imperialista, não se pode ouvir. O estão eliminando; a perseguição mundial contra mim”, denunciou o presidente durante um ato em Caracas. 
Maduro voltou a compartilhar em transmissão televisiva o áudio de sua versão do hit mundial dos artistas porto-riquenhos Luis Fonsi e Daddy Yankee. 
“A Constituinte só quer paz, só com amor salvaremos a pátria (…). Passinho a passinho, suave, suavezinho, vamos deixando o ódio, te garanto”, diz a versão. 
Maduro divulgou sua versão pela primeira vez no último domingo durante seu programa de televisão semanal, provocando a condenação dos dois artistas. 
“Você se apropriar ilegalmente de uma canção (Despacito), não se compara com o crime que você comete e cometeu na Venezuela”, escreveu na segunda-feira Daddy Yankee em sua conta do Instagram, dirigindo-se diretamente a Maduro.
Fonsi disse que em nenhum momento ele foi consultado sobre “o uso ou a mudança da letra de Despacito para fins políticos”. 
Maduro afirma que ‘ditadura imperialista’ proibiu sua versão de ‘Despacito’
Rate this post
Em 50 anos, espermatozoides de homens ocidentais caíram pela metade
Venezuelanos se preparam para greve em ultimato a Maduro