Motorista de carreta fala sobre acidente que matou 3 pessoas em BH

Reprodução da Internet Veículos se incendiaram depois do acidente
O motorista Luiz Fhillippe da Cunha Gonçalves Pereira, de 24 anos, que conduzia a carreta de minério que provocou mais uma tragédia no Anel Rodoviário, vai deixar a profissão. O veículo de carga desceu a rodovia em alta velocidade arrastando ao menos oito veículos no trecho do Betânia, na Região Oeste de Belo Horizonte. Três pessoas morreram. O condutor foi autuado em flagrante pelo crime de homicídio com dolo eventual – quando se assume o risco do resultado apesar de não ter intenção de provocar as mortes –  pela delegada de plantão do Detran, Rosângela Tulher, e foi encaminhado a uma unidade do sistema prisional. 
Ramon Lisboa/EM/D.A.Press Carro foi prensado pela carreta no Bairro Betânia
O motorista afirmou que o caminhão apresentou problemas no freio. “Estava descendo e quando apertei o freio ele murchou. Estava a 60 quilômetros por hora e o freio motor ligado. Estava funcionando normal e, quando pisei, o pedal foi lá no fundo. Eu desesperei e falei: o meu Deus, o que vou fazer”, disse em entrevista à Rádio Itatiaia. 

Saiba mais

  • Bombeiros combatem incêndio em mercado atacadista em Minas Gerais

    Bombeiros combatem incêndio em mercado atacadista em Minas Gerais

  • Faculdade lamenta morte de estudante de medicina em tragédia em Minas

    Faculdade lamenta morte de estudante de medicina em tragédia em Minas

Segundo o condutor, ele tentou jogar o veículo de carga em direção a mureta de proteção do Anel Rodoviário para evitar atingir os carros, mas não conseguiu. Ele contou que pensa em largar o emprego de motorista. “Eu vou largar até essa profissão. Eu não vou trabalhar mais. Foi o primeiro acidente da minha vida. Primeiro e o último”, afirmou chorando. 

O acidente ocorreu no fim da tarde dessa quarta-feira. Luiz Fhillippe conduzia uma carreta de minério que descia o Anel Rodoviário na pista que liga Belo Horizonte / Vitória. Em alta velocidade, o veículo de carga atingiu um Ágile, onde estava o policial civil Dogmar Alves Monteiro, de 52 anos, a mulher e o filho dele, e arrastou o carro por aproximadamente 200 metros. Imediatamente, o veículo se incendiou, criando um rastro de destruição na pista. 
O trecho onde aconteceu a batida já é conhecido por tragédias. No local, há um estreitamento de pista que deixa o trânsito lento. Diante da demora de obras no Anel Rodoviário, o Prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PHS), informou que vai acionar a Justiça na próxima segunda-feira para a prefeitura assumir a administração da rodovia. Em sua conta no Twitter, Kalil classificou as mortes como “assassinato”. 
Motorista de carreta fala sobre acidente que matou 3 pessoas em BH
Rate this post
Faculdade lamenta morte de estudante de medicina em tragédia em Minas
Bombeiros combatem incêndio em mercado atacadista em Minas Gerais