Muçulmana Halimah Yacob é a primeira presidente de Cingapura

Roslan Rahman / AFP Em discurso em inglês e malaio, Halimah Yacob, acompanhada pelo seu marido e centenas de seguidores, pediu unidade

A muçulmana Halimah Yacob se tornou, nesta quarta-feira (13/9), a primeira presidente de Cingapura, ao ser a única candidata que atendeu a todos os requisitos para as eleições. Halimah, de 63 anos e etnia malaia, vai prestar juramento amanhã (14/9), em uma cerimônia organizada no palácio presidencial de Istana, informou o gabinete do primeiro-ministro Lee Hsien Loong, em comunicado.

“Nós precisamos de todos os cingapurianos unidos. Não alcançamos ainda o nosso máximo potencial (como país). Mas o melhor está por vir. Peço que nos concentremos em nossas semelhanças e não nas diferenças”, disse a nova presidente, após confirmação de sua nomeação. Em discurso em inglês e malaio, Halimah Yacob, acompanhada pelo seu marido e centenas de seguidores, pediu unidade.
O Legislativo do país aprovou no ano passado uma reforma da Constituição, em que as eleições presidenciais ficam reservadas para uma das etnias multiculturais da cidade-estado, se nenhum candidato desse grupo tiver ficado no cargo nos últimos 30 anos. “Eu sou a presidente de todos”, afirmou Halimah, cujo posto tem caráter mais representativo que executivo.
Leia mais notícias em Mundo
Ela nasceu em 1954, em Cingapura, é filha de um muçulmano de origem indiana e de mãe malaia. Casada e mãe de cinco filhos, Halimah Yacob começou na política com o Partido de Ação Popular (PAP), que governa o país desde 1959, e entrou no Parlamento em 2001.
Conseguiu a sua primeira carteira em 2011, como ministra dos Esportes, Juventude e Desenvolvimento Comunitário, e dois anos depois ocupou a presidência do Parlamento. No mês passado, renunciou à presidência do Legislativo e se desfiliou do PAP para concorrer às eleições presidenciais.
Muçulmana Halimah Yacob é a primeira presidente de Cingapura
Rate this post
Coreia do Sul faz seu primeiro teste com um míssil Taurus
Mesmo com protestos, governo francês reafirma reforma trabalhista