Papa Francisco terá encontro com vítimas de conflito na Colômbia

Alberto Pizzoli / AFP

Villavicencio, Colômbia – O papa Francisco terá nesta sexta-feira (8/9) o compromisso mais importante de sua visita de cinco dias à Colômbia: as vítimas do conflito armado do país estarão no centro de sua mensagem de reconciliação .

Uma grande oração pela paz será realizada na cidade de Villavicencio, a capital de uma região que foi cenário de violentos choques em um conflito que durou mais de meio século. Antes, oficiará a segunda missa ao ar livre depois de ter congregado centenas de milhares de pessoas na quinta-feira no centro de Bogotá.
O Sumo Pontífice se dirigirá e ouvirá as vozes de indígenas, negros e camponeses, assim como a de ex-guerrilheiros e agentes estatais que se confrontaram por décadas. Uma imagem do mutilado Cristo de Bojayá será levada ao encontro com o Papa.

Saiba mais

  • Papa alerta multidão contra 'sede do ódio' durante missa em Bogotá

    Papa alerta multidão contra ‘sede do ódio’ durante missa em Bogotá

  • Papa Francisco elogia o processo de paz na Colômbia

    Papa Francisco elogia o processo de paz na Colômbia

A imagem, sem braços ou pernas, ficou semidestruída por um artefato explosivo jogado por guerrilheiros contra uma igreja em que se refugiava uma comunidade negra em meio a um combate entre militantes das Farc e paramilitares em 2002: 79 pessoas morreram.

Na véspera, Francisco alertou contra “a tentação da vingança” e a sede do ódio diante de centenas de milhares de colombianos que se reuniram para ouvir sua mensagem de reconciliação. O papa levantou sua voz contra a revanche que possa gerar um conflito que deixou 7,5 milhões de vítimas – entre mortos, desaparecidos e deslocados -, agora que o presidente Juan Manuel Santos assinou a paz com as Farc e tenta fazer a mesma coisa com o ELN.
Leia mais notícias em Mundo
Nesse sentido, pediu para “curar as feridas e construir pontes” após o acordo com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), que Santos conseguiu levar adiante, apesar de uma férrea oposição de alguns setores da sociedade.
Tanto as Farc quanto o Exército de Libertação Nacional (ELN) se apoiaram na Igreja católica para negociar a paz. O segundo grupo, comandado até os anos 1990 por um sacerdote espanhol, acertou seu primeiro cessar-fogo bilateral em meio século de levante às vésperas da visita de Francisco, que retornará no domingo a Roma.
Mais cedo, na quinta, Francisco também manteve um encontro emocionante com os jovens. “Atrevam-se a sonhar grande!”, pediu Francisco a eles, apelando também para sua capacidade de perdoar em um país dividido por décadas de conflito armado.
O pontífice mostrou-se mais enérgico, no entanto, em sua reunião com os bispos colombianos, aos quais lembrou que não “são políticos” e devem dar o primeiro passo “rumo a paz definitiva”, ante algumas vozes críticas que surgiram no clero contra a paz com as Farc.
Papa Francisco terá encontro com vítimas de conflito na Colômbia
Rate this post
Donald Trump pede urgência em aprovação de reforma tributária
ONU afirma que balanço da violência em Mianmar pode superar mil mortes