Protesto da oposição perde força um dia antes da Constituinte de Maduro

Ronaldo Schemidt/AFP Cenas dos protestos de sexta-feira na Venezuela

Caracas – Lixo em decomposição, escombros e poucos manifestantes: o apelo da oposição venezuelana para manter os bloqueios nas ruas tinha pouca adesão neste sábado, um dia antes da eleição da polêmica Assembleia Constituinte do presidente Nicolás Maduro.
O bairro de Chacao, na zona leste de Caracas, é o epicentro dos protestos, enquanto em outras partes da capital venezuelana o clima era de relativa normalidade.

Saiba mais

“Eu dormi aqui e permaneço o dia todo. Não vamos sair. Estou aqui porque minha mãe morreu de câncer sem conseguir remédios e eu fiquei na rua”, disse à AFP Endderson, que preparava uma barricada em Chacao.

A oposição pediu a continuidade dos bloqueios neste sábado e a tomada das principais vias do país no domingo, quando serão eleitos os mais de 500 integrantes da Assembleia que redigirá uma nova Constituição. Os críticos afirmam que a votação é uma maneira de Maduro perpetuar-se no poder.
A oposição afirma que não teme a proibição do governo a protestos que afetem a votação e sua ameaça de prisão por até 10 anos dos envolvidos. O Conselho Nacional Eleitoral (CNE) flexibilizou os requisitos de votação, com a permissão aos eleitores para votar em qualquer centro de seu município.
“Esta luta começou antes da Constituinte e não pode ser freada pela Constituinte. É por eleições, a liberdade dos presos políticos, a mudança. Depois de segunda-feira, vem o aprofundamento desta crise”, afirmou o deputado opositor Freddy Guevara.
A oposição não participará na eleição, que considera uma “fraude” para perpetuar o presidente no poder. 
“Maduro, você colocou a corda no pescoço, jogou sua última cartada…”, advertiu o líder opositor Henrique Capriles.
Maduro reiterou na sexta-feira que não vai recuar em sua decisão sobre a Constituinte. 
“Nos resta jogar uma carta, a carta que vai ganhar este jogo, e esta carta é a Assembleia Nacional Constituinte”, afirmou o presidente, para quem a iniciativa trará paz e estabilidade econômica ao país.
O bloqueio das ruas convocado pela oposição na sexta-feira terminou com um jovem de 18 anos morto, vítima de um tiro, na cidade de San Cristóbal, estado Táchira (oeste). 
O número de mortos em quatro meses de protestos contra Maduro chega a 113.
Na sexta-feira foi preso o prefeito opositor do município Iribarren (estado Lara, oeste), Alfredo Ramos, por supostamente não remover as barricadas durante as manifestações, como ordenou o principal tribunal do país.
E neste sábado será apresentado a um tribunal de Caracas o violinista dos protestos, Wuilly Arteaga, que foi detido na quinta-feira por militares, segundo a ONG Foro Penal.

“Melhor estar preparado”

De acordo com o instituto Datanálisis, a Constituinte é rejeitada por 72% dos venezuelanos.
A tensão aumenta com os protestos da oposição, um dia antes da eleição da Constituinte, em um país imerso em uma severa crise econômica, com escassez de alimentos e remédios, além duma inflação elevada.
As tradicionais filas eram observadas em supermercados da capital e no estado vizinho Vargas.
O governo americano pediu a seus a seus diplomatas que retirassem suas famílias da Venezuela e o Canadá recomendou a seus cidadãos que deixassem o país.
A companhia aérea Avianca cancelou os voos com destino a Caracas, a Air France anunciou a suspensão de domingo a terça-feira, enquanto a Iberia suspendeu os voos de domingo a quarta-feira.
“Comprei comida para os próximos dias. Estados Unidos pediram a retirada de seus cidadãos, meu chefe foi embora e não sabemos quando volta. Melhor estar preparado”, disse à AFP Maximiliano, de 34 anos. 
Maduro rejeitou a pressão internacional contra a Constituinte. Na quarta-feira passada, o governo dos Estados Unidos anunciou sanções a 13 funcionários e militares venezuelanos, incluindo a presidente do CNE, Tibisay Lucena, acusados de “minar a democracia”, de atos de violência ou corrupção.
O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, telefonou ao líder opositor venezuelano Leopoldo López, que está em prisão domiciliar, para reafirmar a promessa do presidente Donald Trump de responder com mais sanções econômicas à formação de uma Constituinte.
Maduro acusa a oposição de tentar um golpe de Estado com o apoio de Washington. Também chamou de submissos os governos da América Latina e Europa que criticam a Constituinte.
Analistas consideram que a rejeição à Constituinte afeta sua legitimidade, o que leva o governo a mobilizar suas bases para evitar uma alta abstenção, depois dos 7,6 milhões de votos que a oposição afirma ter registrado no plebiscito simbólico que organizou há duas semanas contra a iniciativa.
Mas com o método de votação, que combina sufrágio por territórios e setores sociais, 62% dos 19,8 milhões de eleitores poderão votar duas vezes, o que dificulta o cálculo de participação, segundo o especialista em eleições Eugenio Martínez.
Protesto da oposição perde força um dia antes da Constituinte de Maduro
Rate this post
Filho do técnico Abel Braga morre após cair da varanda de apartamento no RJ
Presidente diz que não reconhecerá resultados da Constituinte venezuelana