Reino Unido vai banir vendas de carros movidos a diesel e gasolina em 2040

Andrew Yates/AFP Carros estacionados em Grimsby, no Nordeste da Inglaterra: tentativa do governo britânico é melhorar qualidade do ar

As vendas de automóveis movidos a óleo diesel e gasolina devem ser banidas pelo Reino Unido a partir de 2040. O anúncio do governo sobre esta decisão deve ser feito nesta quarta-feira (26/7). A proibição é parte de um plano do governo britânico em uma tentativa de melhorar a qualidade do ar. As informações são do jornal britânico The Times. 

Saiba mais

O projeto do Reino Unido inclui 255 milhões de libras para ajudar as autoridades locais a lidar com as emissões de dióxido de nitrogênio (NO2) dos veículos a diesel. De acordo com a reportagem da Times, a venda dos veículos híbridos, movidos a um motor elétrico combinado a um de combustão, também deve ser banida. 

A notícia chega pouco depois de o ministro do Meio Ambiente da França, Nicolas Hulot, também anunciar que espera banir carros a combustão no país até 2040. Menos de 1 por cento dos carros novos vendidos na Grã-Bretanha são executados exclusivamente em energia elétrica.

Emissões de NO2

Os planos detalhados hoje pelo secretário do meio ambiente britânico, Michael Gove, impõem aos conselhos que tratam da administração de estradas a publicação de planos iniciais para reduzir as emissões de NO2 até o final de março e as propostas finais até o final do próximo ano. Estes conselhos, segundo a Times, também serão autorizados a proibir os veículos a diesel em algumas áreas poluídas. Mudanças em redutores de velocidade, reprogramação de semáforos e a mudança de layouts de estradas estão entre outras medidas disponíveis para as prefeituras.
Um relatório do Royal College of Physicians no ano passado estimou que a poluição do ar – relacionada ao câncer, asma, acidente vascular cerebral e doença cardíaca, diabetes, obesidade e demência – causou 40 mil mortes prematuras por ano.
Reino Unido vai banir vendas de carros movidos a diesel e gasolina em 2040
Rate this post
Padre degolado pelo Estado Islâmico é homenageado na França
Cardeal do Vaticano nega acusação de abuso sexual em tribunal australiano