Rio tem tiroteios, 9 presos e 3 mortos após cerco militar na Rocinha

AFP / CARL DE SOUZA

Um dia após o cerco feito por 950 homens das Forças Armadas à Rocinha, na zona sul do Rio, três traficantes foram mortos e nove suspeitos, presos em operações militares e policiais. Dezenove fuzis e nove granadas também foram apreendidos, segundo balanço da Secretaria de Segurança à noite. A chegada das tropas, porém, não inibiu novos tiroteios na comunidade ao longo do dia. Ainda houve confrontos em outras regiões da cidade.

Entre os detidos, está o traficante Luiz Alberto de Moura, conhecido como Bob do Caju, acusado de planejar o ataque à Rocinha no último domingo. Ele foi capturado por policiais civis na Ilha do Governador, na zona norte. Outros quatro suspeitos, supostamente ligados ao bando de Antonio Bonfim Lopes, o Nem, foram presos pela Polícia do Exército ao tentar entrar na Rocinha de carro. À tarde, em outras ações policiais, três suspeitos foram mortos no Alto da Boa Vista, na zona norte, e mais cinco, presos.

O grupo invasor seguiria, diz a polícia, ordens de Nem. Ele, do presídio federal de Rondônia, teria comandado a invasão da Rocinha. O objetivo era tomar o comando do tráfico de drogas de Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157, que assumiu após Nem ser preso.

Saiba mais

Embora pertençam ao mesmo grupo criminoso, a facção Amigo dos Amigos (ADA), Nem e Rogério estão agora em bandos rivais. A quadrilha ligada a Rogério estaria na parte alta da favela, escondida na mata.

Lá, no início da tarde, foram ouvidos disparos. Os tiros aconteceram enquanto as autoridades de segurança davam entrevista, no Centro de Comando e Controle, no Alto da Boa Vista.

Na madrugada, os tiros na Rocinha foram intensos. Quatro bandidos renderam um taxista em seu carro e tentaram entrar na comunidade. Mas foram abordados por PMs, houve confronto e eles fugiram.

A polícia suspeita que Rogério estava entre eles. Segundo o delegado Antônio Ricardo, da 11ª DP (Rocinha), a descrição de um dos ocupantes do carro “bate” com características de Rogério. Esse bandido teria sido chamado de “pai” pelos outros e dito que não deixaria a comunidade. “Ele está acuado. A prisão deve acontecer a qualquer momento”, disse Ricardo.

Quando os bandidos cruzaram com os soldados, o taxista conseguiu pular do carro e se esconder debaixo de uma caçamba de lixo. “Fiquei até que o confronto terminasse. Deus é muito bom. Graças a Ele saí ileso.”

Outro motorista, um estudante, foi sequestrado na zona sul em seu carro, também com o intuito de furar o bloqueio de militares e PMs. Foi nesse incidente que quatro bandidos foram presos pela Polícia do Exército.

Dos fuzis, a maioria (dez) foram achados por policiais civis em um carro no Caju, área dominada pelo bando de Bob. O armamento seria levado ao Morro do São Carlos, na região central, para bandidos que agiriam na Rocinha. Essas armas já teriam sido usadas na invasão do último domingo e voltado ao Caju por causa das operações.

Nenhum fuzil havia sido encontrado nas três operações conjuntas de militares e polícias desde a chegada das tropas. O total de drogas apreendidas ontem não foi divulgado.

Caçada

Segundo o secretário de Segurança do Rio, Roberto Sá, não há informações sobre possível nova invasão à Rocinha. Houve buscas na mata do alto da comunidade atrás de traficantes. “Com o contingente que temos lá, hoje mantemos a situação estável. Vamos continuar buscando na mata.”

Sá ainda negou que tenham sido expedidos mandados coletivos de busca para serem cumpridos na Rocinha. Esse instrumento permite que quarteirões inteiros sejam vasculhados pela polícia, sem endereços especificamente determinados. É criticado por advogados e ativistas de direitos humanos, que defendem a definição de endereço para coibir excessos. Sá, porém, não descartou a medida.

E não há prazo para a retirada das tropas. O Exército disse ter sido inevitável fazer controle mais forte na Rocinha anteontem, quando o cerco militar começou, mas que desde ontem a população já estaria liberada para se locomover normalmente.

Ontem, porém, a movimentação era baixa para um sábado e moradores eram revistados. “Antes de o dia clarear, ouvimos muitos tiros”, contou uma moradora. “Depois ficou calmo. Mas não saí de casa ainda.

Rio tem tiroteios, 9 presos e 3 mortos após cerco militar na Rocinha
Rate this post
Vaticano afirma que expulsou controlador financeiro por espionagem
México apura origem de história da menina Frida Sofía