Se há ‘batom na cueca’, é melhor delatar, aconselha Joesley Batista

Minervino Junior/CB/D.A Press Joesley Batista está em prisão preventiva

Em conversa gravada com um interlocutor que responde por “Gabriel”, Joesley Batista diz ter aconselhado um amigo sobre o que levar em consideração na hora de decidir por um acordo de delação premiada. Se tinha “batom na cueca”, era melhor delatar, teria dito o empresário, segundo o áudio obtido pela revista “Veja”.

Saiba mais

  • Ministro do STF nega habeas corpus de Joesley Batista
  • Joesley e Saud recorrem contra prisão preventiva determinada por Fachin

    Joesley e Saud recorrem contra prisão preventiva determinada por Fachin

  • Ministro Gilmar Mendes nega liberdade a Joesley e a Wesley Batista

    Ministro Gilmar Mendes nega liberdade a Joesley e a Wesley Batista

  • Joesley e Wesley JBS agiram em 'continuidade delitiva', diz relatório da PF

    Joesley e Wesley JBS agiram em ‘continuidade delitiva’, diz relatório da PF

“Ô, meu, é a coisa mais simples do mundo, porque se você tem problema e o problema é, como se diz, batom na cueca, ô, meu, corre lá e faz a porra dessa delação”, disse Joesley ao seu interlocutor, que de acordo com a publicação seria o deputado federal Gabriel Guimarães (PT-MG). 

O áudio está entre os materiais que haviam sido sonegados ao Ministério Público Federal e que levaram, posteriormente, o então procurador-geral da República Rodrigo Janot a pedir a rescisão do acordo de delação e a prisão de Joesley e do executivo Ricardo Saud.
Na conversa, Joesley também detalha como atuou para aliciar o procurador Ângelo Goulart Villela e sua interlocução com o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), a quem detalhava suas negociações com o MPF sobre o acordo de leniência da J&F.
Em outra gravação, desta vez com o executivo Ricardo Saud, o diretor Francisco Assis e Silva e a advogada da JBS, Fernanda Tórtima, Joesley relata que pretendia deixar o Brasil. “Ainda vou pra Nova York, vou amanhecer em Nova York, se Deus quiser. Eu vou ficar aqui, Fernanda? Cê tá louca? Soltar uma bomba dessa aí e ficar aqui fazendo o quê?”, disse. 
A advogada considera que a PGR não perderia a oportunidade de fechar o acordo e que o melhor seria mesmo o empresário deixar o Brasil. “Se for pra dar imunidade, que seja fora pra ninguém ver tua cara, ninguém lembrar que você existe”, diz Fernanda, segundo a ‘Veja’.

Prisão

Joesley e Wesley Batista estão em prisão preventiva decretada no processo em que os executivos são acusados de lucrar indevidamente no mercado de ações e usar informações privilegiadas antes de vir à tona o acordo de colaboração premiada que firmaram com o Ministério Público Federal (MPF).
Se há ‘batom na cueca’, é melhor delatar, aconselha Joesley Batista
Rate this post
No Twitter, Papa Francisco condena o jornalismo de falsas notícias
Relator quer mudar cobertura de planos de saúde e cobrar mais dos idosos