Sem achar vagas, mãe de menina com deficiência chora e critica motoristas

Reprodução/Facebook
Não são raros os casos de motoristas que deixam seus carros em vagas reservadas para deficientes ou idosos. A desculpa, em geral, é sempre a mesma: “era rapidinho”. Ao fazer isso, esses condutores, certamente, não se colocam no lugar de quem realmente precisa usar essas vagas. Nesta semana, a goiana Cejane Aires mostrou em um vídeo as consequências que um carro estacionado irregularmente — mesmo que “rapidinho” — trazem diariamente para ela e para a sua filha, que tem deficiência física. Confira o vídeo no final desta reportagem.
“Todos os dias eu tenho problemas com vaga. Na porta de escola, virou tradição. Tem sempre alguém. Sempre um pai de uma criança andante estaciona lá e ele sempre tem uma boa justificativa. Sempre tem uma boa desculpa. Essa vaga não é dele nem por um minuto. Nem ‘só um instantinho’. Nem só um ‘vou ali e já volto'”, diz a mulher aos prantos. Além da vaga propriamente dita, a Cejane ainda lembra da importância de deixar livre a faixa zebrada amarela na lateral desses espaços. “Ela foi feita para a porta abrir 100% e a pessoa, seja o cadeirante que dirige ou seja o condutor que acompanha um deficiente, conseguir abrir a porta para entrar”, explica.
O desabafo da mulher foi gravado na última quarta-feira (27/9), logo depois de ela sofrer um pequeno acidente por conta de uma moto estacionada exatamente na área zebrada ao lado da vaga. Segundo a goiana, ao abir a porta de seu carro em um espaço reduzido, ela acabou queimando as pernas no escapamento e sua filha teria batido a cabeça e os braços na porta do veículo. 
O caso, ela destaca no vídeo, não foi isolado: “minha filha tem que viver isso todos os dias”. Por esse motivo, ela deixa o apelo: “respeite a vaga do idoso, respeite a vaga do deficiente. Ela não está ali à toa. Eles precisam dela. Você, não”, conclui.
Vale lembrar que, além de uma enorme insensibilidade, estacionar em uma vaga de deficiente ou idoso sem a devida autorização é uma infração gravíssima. A pena prevista para ela é multa de R$ 293,47, mais sete pontos na carteira de habilitação.

Confira o vídeo:

Sem achar vagas, mãe de menina com deficiência chora e critica motoristas
Rate this post
Escócia tem primeiro casamento gay celebrado pela igreja
Interação de crianças com homem nu no MAM, em São Paulo, gera polêmica