Sindicatos franceses organizam greve contra reforma trabalhista de Macron

Damien Meyer/ AFP

Vários sindicatos, liderados pela Confederação Geral do Trabalho (CGT), organizaram nesta terça-feira (12/9) uma primeira jornada de greves e manifestações contra a reforma trabalhista decretada pelo presidente da França, Emmanuel Macron, desde as primeiras horas do dia tendo impacto em alguns transportes públicos. As informações são da agência de notícias espanhola EFE.

A CGT, SUD, União Nacional de Sindicatos Autônomos (UNSA) e a organização estudantil Unef, convocaram estes protestos contra os planos de Macron para flexibilizar o mercado de trabalho, que seu governo deve aprovar no próximo dia 22, para uma aplicação imediata. As demissões, que não se esperava que afetassem significativamente o setor privado, se centraram na administração, energia e, sobretudo, no transporte público, particularmente nas ferrovias.
A companhia ferroviária francesa SNCF assegurou que manteria todos seus trens de alta velocidade (TGV), incluindo Thalys, para Bélgica e a Holanda, Eurostar, para Londres, e as linhas para a Espanha. No entanto, vão diminuir entre 10% e 50% os trens de longa distância, “segundo os destinos”, bem como alguns regionais e alguns das linhas das cercanias de Paris.
Leia mais notícias em Mundo
Na área metropolitana de Paris o transporte urbano estava funcionando quase normalmente, mas havia problemas em outras cidades como Lyon, Marselha, Montpellier e Nice. Na capital francesa, no entanto, o trânsito foi bloqueado na Praça da Bastilha e na Avenida Champs-Élysées, por conta de um protesto paralelo organizado pelos feirantes.
Nos céus, a Direção Geral da Aviação Civil (DGAC) adiantou que a priori a greve teria “pouca adesão entre os controladores, que não pediram para as empresas que suspendam nenhum voo e que, se isso ocorrer, será por iniciativa própria [de cada companhia]”.
De fato, a companhia aérea de baixo custo, Ryanair, anunciou o cancelamento de 110 voos, enquanto a Air France não tinha intenção de fazer cancelamentos, mas admitiu que poderiam ocorrer atrasos.
Sindicatos franceses organizam greve contra reforma trabalhista de Macron
Rate this post
Ao menos 370 mil rohingyas fugiram para Bangladesh desde agosto
China deve retirar 500 mil pessoas de suas casas com chegada do Tufão Talim