Suspeito do assassinato de jornalista búlgara detido na Alemanha

O assassinato da jornalista, que foi agredida, violentada e estrangulada, provocou uma onda de indignação na Europa(foto: Dimitar Dilkoff/AFP)O assassinato da jornalista, que foi agredida, violentada e estrangulada, provocou uma onda de indignação na Europa (foto: Dimitar Dilkoff/AFP)
Sófia, Bulgária – Um homem suspeito do estupro e assassinato da jornalista búlgara Viktoria Marinova foi detido, nessa terça-feira (9/10) à noite, na Alemanha, anunciaram as autoridades búlgaras.
“A investigação permitiu identificar um homem que foi detido à noite pela polícia da Alemanha a nosso pedido”, afirmou o ministro do Interior da Bulgária, Mladen Marinov. “Temos provas suficientes que relacionam esta pessoa ao local do crime e com a vítima”, completou.
O procurador-geral Sotir Tsatsarov declarou que as autoridades não consideram no momento que o assassinato esteja vinculado à atividade profissional da vítima. “Mas seguimos explorando todas as hipóteses”, disse.
O suspeito, nascido em 1997 e identificado como Severin Kasimirov, já era procurado por assassinato e estupro, informou o procurador. “As provas que temos no momento apontam para um ataque espontâneo para abusar sexualmente da vítima”, afirmou Tsatsarov.
O corpo de Viktoria Marinova, de 30 anos, diretora administrativa e apresentadora do canal local TVN, foi encontrado no sábado em um parque da cidade de Ruse, região norte do país.
O assassinato da jornalista, que foi agredida, violentada e estrangulada, provocou uma onda de indignação na Europa. O interesse recente da vítima por acusações de corrupção contra empresários e políticos provocou a suspeita de um assassinato motivado por sua profissão.
Outros dois jornalistas foram assassinados nos últimos 12 meses na Europa, o eslovaco Jan Kuciak em fevereiro e a maltesa Daphné Caruana Galizia em outubro do ano passado.
Suspeito do assassinato de jornalista búlgara detido na Alemanha
Rate this post
Papa Francisco compara o aborto ao uso de um 'matador de aluguel'
Por risco de câncer, agência de saúde pede fim das cabines de bronzeamento