Trump anula obrigação de empregadores de pagar contraceptivos

AFP / Brendan Smialowski

O governo de Donald Trump anulou, nesta sexta-feira, uma disposição que obrigava os empregadores a incluir métodos contraceptivos no plano de saúde oferecido a seus funcionários, provocando a ira dos defensores dos direitos humanos. A medida cancela uma disposição da lei de cobertura de saúde conhecida como “Obamacare”, ao ampliar a isenção já outorgada às instituições religiosas a todas as empresas comerciais, segundo uma nota do Departamento de Saúde dos Estados Unidos.

“Estamos movendo uma ação contra a administração Trump a fim de bloquear esta medida”, disse no Twitter a poderosa organização americana de direitos civis ACLU. “Não se deixem enganar. Ir contra o acesso ao controle da natalidade de 62,4 milhões de mulheres mostra o desprezo do governo pela saúde e pelas vidas das mulheres”, assinalou a Planned Parenthood (PP), a maior ONG de planejamento familiar dos Estados Unidos. “Inaceitável”, tuitou, instando a população a manifestar sua oposição a esta decisão.

A hashtag #HandsOffMyBC (Tire as mãos da minha contracepção) era um dos assuntos mais comentados do Twitter logo após a divulgação da notícia. “Isto não é nada menos do que sexismo”, disse o senador Bernie Sanders, ex-candidato à indicação democrata para as eleições presidenciais dos Estados Unidos. “Esta é a última expressão do desprezo total dos republicanos pela capacidade das mulheres de controlar suas vidas”, tuitou.

Saiba mais

A nova regulação “amplia as isenções para proteger as convicções morais de certas entidades e indivíduos cujos planos de saúde estão sujeitos a um mandato de cobertura de contraceptivos disposta pela Lei de Proteção ao Paciente e Assistência Acessível”, destaca o texto do Departamento de Saúde.

A nova norma, em vigor desde esta sexta-feira, afetará milhões de mulheres americanas cujos métodos contraceptivos foram até agora reembolsados %u200B%u200Bpor seus empregadores, sob a lei do ex-presidente Barack Obama, que Trump prometeu revogar.

A obrigação de pagar pela contracepção foi alvo de controvérsia por parte de grupos conservadores desde a promulgação da lei, em 2010.

Após uma longa batalha jurídica, a Corte Suprema de Justiça decidiu, em 2014, a favor de duas companhias que se negavam a cumprir esta disposição do “Obamacare” alegando convicções religiosas.

Em maio passado, o presidente Trump assinou um decreto sobre a liberdade religiosa ordenando ao governo levar em conta as “objeções de consciência” na questão da contracepção.

Trump anula obrigação de empregadores de pagar contraceptivos
Rate this post
Golpistas divulgam contas falsas para receber doações de ajuda a Janaúba
Professora considerada heroína em tragédia é enterrada em Janaúba