Trump diz que as Forças Armadas dos EUA não aceitarão pessoas transgênero

 Tasos Katopodis/ AFP - 25/07/2017 Trump disse que a decisão foi tomada “depois de consulta com generais e especialistas militares”

Washington, Estados Unidos – O presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou nesta quarta-feira (26/7) que as Forças Armadas de seu país não aceitarão, nem permitirão a presença no serviço de pessoas transgênero, em função dos custos médicos e dos transtornos que representam. “Nossos militares devem estar concentrados na vitória decisiva e arrasadora”, alegou o presidente em sua conta no Twitter.

Trump acrescentou que a decisão foi tomada “depois de consulta com generais e especialistas militares”. Em junho, o secretário americano da Defesa, Jim Mattis, suspendeu por seis meses um plano elaborado durante o governo de Barack Obama para aceitar recrutas transgênero.

Saiba mais

  • Trump encerra programa de ajuda a rebeldes sírios: 'perigoso e dispendioso'

    Trump encerra programa de ajuda a rebeldes sírios: ‘perigoso e dispendioso’

  • Seis meses de Trump: o que ele pode fazer para salvar 2017 e vencer 2020

    Seis meses de Trump: o que ele pode fazer para salvar 2017 e vencer 2020

  • Trump preocupa ícone da luta pelo casamento gay nos EUA

    Trump preocupa ícone da luta pelo casamento gay nos EUA

Calcula-se que entre 2.500 e 7 mil pessoas transgênero sirvam em diversos setores das Forças Armadas dos Estados Unidos. A questão dos direitos dos transgêneros se tornou, em 2016, centro de uma controvérsia sobre a adoção de regulação para cada Estado a respeito do uso de banheiros públicos comuns.

Já em fevereiro o governo Trump enfrentou protestos pela decisão de suspender uma normativa adotada pela administração Obama, que incentivava as escolas públicas a permitir que os alunos usassem o banheiro correspondente a sua identidade de gênero. O mais famoso militar transgênero nos Estados Unidos é a ex-analista de Inteligência Chelsea Manning, que passou sete anos na prisão por vazar milhares de documentos sigilosos das Forças Armadas ao site WikiLeaks.
Manning ingressou nas Forças Armadas e começou sua carreira militar como o soldado Bradley Manning. Durante seu período em prisão, começou um tratamento hormonal e o processo de transição até adotar seu novo nome. Perdoado por Obama nos últimos dias de seu governo, Manning ainda é ligado ao Exército americano e mantém os benefícios de seu posto, mas se transformou em um ícone para os ativistas dos direitos humanos das pessoas transgênero.
Trump diz que as Forças Armadas dos EUA não aceitarão pessoas transgênero
Rate this post
Vaticano desliga fontes históricas por conta de seca prolongada
Pela primeira vez, panda fêmea está grávida na França