Duplo atentado em Benghazi, na Líbia, deixa 34 mortos

Abdullah DOMA / AFP O número de óbitos pode aumentar, já que vários feridos se encontram em estado grave, e outras vítimas podem ter dado entrada em clínicas particulares


Bengasi, Líbia –
Pelo menos 34 pessoas morreram, e dezenas ficaram feridas na noite desta terça-feira (23/1) em Benghazi, em um duplo atentado com carro-bomba em frente a uma mesquita no centro dessa cidade do leste líbio – informaram fontes médicas.

Uma bomba em um veículo estourou no momento em que fiéis saíam de uma mesquita no bairro de Al-Sleimani, no centro da cidade, relatou uma fonte dos serviços de segurança. Um segundo carro-bomba explodiu 30 minutos depois no mesmo perímetro, causando mais vítimas entre os serviços de segurança e os civis, acrescentou a mesma fonte.
Leia as últimas notícias de Mundo
A porta-voz do hospital al-Jala de Benghazi, Fadia al-Barghathi, afirmou que 25 mortos e 51 feridos foram levados para esse estabelecimento. Outros nove mortos e 36 feridos foram registrados no Centro Médico de Benghazi, segundo seu porta-voz, Khalil Guider.
O número de óbitos pode aumentar, já que vários feridos se encontram em estado grave, e outras vítimas podem ter dado entrada em clínicas particulares. Essa mesquita é conhecida por ser um reduto de grupos salafistas que combateram os extremistas em Benghazi junto com as forças do homem forte do leste líbio, o marechal Khalifa Haftar.
Ahmad al-Fituri, um responsável dos serviços de segurança ligados às forças do marechal Haftar, morreu no ataque, de acordo com o porta-voz militar em Benghazi Milud al-Zwei. A Líbia está imersa no caos desde a revolta popular que pôs fim ao regime de Muamar Kadhafi em 2011.
Bastião da revolução líbia, Benghazi se tornou um reduto de grupos extremistas. A cidade foi especialmente afetada pela violência contra as representações diplomáticas e as forças de segurança.
Duplo atentado em Benghazi, na Líbia, deixa 34 mortos
Rate this post
Despedida e homenagens marcam velório do piloto do Globocop em Pernambuco
Moscou acusa EUA de manipular investigação sobre armas químicas na Síria