Estamos em uma batalha comercial desagradável com a China, diz Trump

(foto: Geoffroy Van Der Hasselt/AFP)(foto: Geoffroy Van Der Hasselt/AFP)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que trava uma “batalha comercial desagradável” com a China. Mais cedo nesta semana, o governo americano anunciou que pode tarifar mais US$ 200 bilhões em produtos chineses, em meio à disputa comercial bilateral.

Trump comentou o assunto durante entrevista coletiva em Bruxelas, que teve como foco a cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Em suas declarações, o presidente americano também criticou a União Europeia, que trataria os EUA de modo “muito injusto” no comércio. Ele voltou a ameaçar impor uma tarifa sobre automóveis europeus vendidos em território americano, caso não ocorram avanços nesse quadro.
Após criticar a Alemanha pelo país ter firmado um acordo com a Rússia por um gasoduto, Trump afirmou que tem “muito respeito” pelos alemães e que mantém uma boa relação com a chanceler Angela Merkel.
Questionado sobre o encontro que deve ter com o presidente russo, Vladimir Putin, nesta semana, Trump disse que espera se dar bem com o colega. Segundo ele, ambos são “concorrentes, mas não inimigos”, já que cada um naturalmente privilegia o interesse de seu país. Ele disse ainda que pretende questionar Putin sobre a suposta interferência dos russos na eleição presidencial americana. Afirmou também que a situação na Crimeia “não o agrada”, após a Rússia anexar a península, mas lembrou que o episódio ocorreu no governo anterior dos EUA, de Barack Obama.
Trump afirmou ainda que acredita que, mais adiante, o Irã entrará em contato com o governo de Washington para buscar um acordo. Atualmente, os EUA ameaçam impor sanções contra o regime de Teerã, que devem prejudicar as exportações de petróleo iranianas. “O Irã nos trata com muito mais respeito agora do que no passado”, disse.
Estamos em uma batalha comercial desagradável com a China, diz Trump
Rate this post
Brasil tem 415 mortes por febre amarela, diz Ministério da Saúde
Donald Trump visita Reino Unido em meio a protestos