Juiz acusado de agredir ex-mulher renuncia à Corte de Direitos Humanos

(foto: Arquivo pessoal)(foto: Arquivo pessoal)

 

Acusado pela ex-mulher de agressão, estupro e assédio sexual, Roberto Caldas renunciou ao cargo de juiz da Corte Interamericana de Direitos Humanos, informou nesta terça-feira (15/5) o órgão internacional. No último dia 11, Caldas havia pedido licença por tempo indeterminado.
Segundo nota da Corte Interamericana publicada em uma rede social, a renúncia formal ao posto foi enviada na segunda-feira ao órgão. O mandato duraria até o fim do ano. “Como é de conhecimento público, Roberto F. Caldas foi denunciado por supostos atos de violência familiar nas instâncias da justiça brasileira. Quanto a essas acusações, o presidente da Corte Interamericana, juiz Eduardo Ferrer Mac-Gregor Poisot ressaltou a importância de que se investiguem os feitos de maneira diligente, rápida e oportuna”, afirma o documento, que finaliza ressaltando que a pasta condena “todo tipo de violência contra a mulher”. 
Roberto Caldas foi acusado pela ex-mulher, Michella Marys, por injúria, agressão, espancamento, ameaça de morte e assédio sexual. A defesa negou as agressões físicas, e apontou “serem graves as inúmeras ofensas verbais feitas pelo casal ao longo de uma tumultuada relação”. 
A denúncia contra Caldas tem por base gravações feitas ao longo do relacionamento. As investigações seguem na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam). Após as denúncias, ele perdeu também a sociedade em um escritório de advocacia onde atuava havia mais de 30 anos.
Juiz acusado de agredir ex-mulher renuncia à Corte de Direitos Humanos
Rate this post
Jornalista é morto a tiros no México
Parlamento escocês vota contra projeto de lei britânico do Brexit