Pancadas na cabeça, inclusive as fracas, aumentam risco de Alzheimer

(foto: Valdo Virgo/CB/D.A Press)(foto: Valdo Virgo/CB/D.A Press)
Na década de 1980, Mark Gastineau foi ídolo do futebol americano jogando como linebacker do NY Jets. No ano passado, aos 61 anos, ele voltou às páginas dos jornais. Não mais pelos feitos nos gramados, mas por afirmar que as pancadas na cabeça características desse esporte o deixaram com Alzheimer, demência e Parkinson. Gastineau, que também atuou no boxe, foi diagnosticado com as três condições e, depois de dizer que essas modalidades destruíram sua vida, começou uma campanha pedindo mais segurança para os atletas. Agora, um estudo com dados de 2,8 milhões de pessoas parece dar razão a ele. Na maior pesquisa já realizada a respeito, cientistas descobriram uma forte associação entre traumas na cabeça e risco aumentado de demência.
Publicada na revista Lancet, a pesquisa mostrou que pessoas com histórico de traumas na cabeça, mesmo moderados, correm, em geral, 24% mais risco de desenvolver algum tipo de demência, inclusive Alzheimer, ao longo da vida. Esse risco varia de acordo com a gravidade e o número de episódios sofridos. Uma única batida severa, como um traumatismo craniano, por exemplo, eleva a probabilidade de desenvolver o problema em 35%. Já um golpe menos grave aumenta o risco em 17%. A demência afeta 47 milhões de pessoas no mundo, um número que deve dobrar nas próximas duas décadas. A cada ano, mais de 50 milhões de pessoas têm algum tipo de traumatismo, quando uma força externa — seja uma pancada acidental ou uma cabeçada durante um jogo — perturba o funcionamento normal do cérebro. As principais causas são quedas, acidentes automobilísticos e golpes.
“O que nos surpreendeu foi que mesmo um único trauma moderado já foi associado a um risco significativamente maior de demência”, diz Jesse Fann, professor de psiquiatria e ciências do comportamento da Universidade de Washington, que liderou o estudo. “A relação entre o número de danos cerebrais traumáticos e a chance de demência foi muito clara. Da mesma forma, uma lesão mais grave aumenta em duas vezes o risco”, afirma. De acordo com o estudo, a chance de ser diagnosticado com demência aumenta 33% no caso de duas ou três lesões; 61% quando a pessoa sofreu quatro episódios na vida, e 183% para aquelas com cinco ou mais ocorrências.
Segundo Fann, pesquisas anteriores sugeriam uma associação entre lesões na cabeça e demência subsequente. “Se traumatismos entre veteranos de guerra e praticantes de esportes de contato como futebol americano e boxe aumentam esse risco, porém, é algo de extremo debate”, afirma. Estudos menores produziram resultados conflitantes, e a relação entre uma coisa e outra continua pouco entendida devido a limitações como amostras pequenas, pouco tempo de acompanhamento, informações restritas a respeito do número e da gravidade dos impactos e falta de comparação com o grupo de controle.

Amostra inédita

Agora, os pesquisadores norte-americanos e dinamarqueses utilizaram como base um banco de dados nacional da Dinamarca com informações de quase 2,8 milhões de adultos. Nesse universo, eles rastrearam todos os diagnósticos de lesão craniana entre 1977 e 2013 e fizeram um modelo que permitiu analisar a associação entre o tempo de ocorrência do trauma, a severidade do episódio, o número de vezes em que o indivíduo sofreu lesão, o sexo dos indivíduos e o risco de demência. Foram ajustados outros fatores que poderiam afetar esse risco, como diabetes, doença cardiovascular, depressão e abuso de substâncias químicas.
Ao longo de 36 anos, 132.093 pessoas (4,7% da amostra) tiveram ao menos um diagnóstico de trauma, sendo que a maioria (85%) era de gravidade média. Entre 1999 e 2013, 126.734 indivíduos (4,7% do universo acompanhado) com mais de 50 anos foram diagnosticados com demência. Ao comparar os dados dessas pessoas aos daquelas sem histórico de traumatismo, os pesquisadores puderam fazer a associação entre as lesões e o aumento na probabilidade de sofrer da condição. “Lançar luz sobre os fatores de risco da demência é uma das mais importantes tarefas na pesquisa de saúde. Nossas análises levantam algumas questões importantes, em particular, que os esforços para prevenir traumatismo em pessoas jovens podem estar inadequados, considerando o aumento do fardo da demência e a prevalência das lesões cerebrais no mundo todo”, diz Fann.
O geriatra Otávio Castello, diretor científico da Associação Brasileira de Alzheimer, regional DF (Abraz-DF), lembra que esse é um estudo observacional, ou seja, busca uma relação entre dois fatores, mas sem estabelecer causa e efeito. Porém, principalmente devido à robustez dos dados, ele destaca a importância da pesquisa e das medidas de prevenção de traumas. “Embora seja algo polêmico, os esportes de contato com pancadas na cabeça, como lutas, oferecem risco de demência. As pessoas não gostam de ouvir, mas isso é verdade. Por isso, é importante sempre usar capacete”, diz.

“Embora seja algo polêmico, os esportes de contato com pancadas na cabeça, como lutas, oferecem risco de demência. As pessoas não gostam de ouvir, mas isso é verdade. Por isso, é importante sempre usar capacete”
Otávio Castello, geriatra e diretor científico da Associação Brasileira de Alzheimer, regional DF

Pancadas na cabeça, inclusive as fracas, aumentam risco de Alzheimer
Rate this post
Governo formaliza nomeação de Braga Netto como interventor federal no Rio
Ausência de mulheres provoca debandada na Associação de Magistrados