Tragédia da boate Kiss, que matou 242 pessoas, completa 5 anos sem culpados

Edison Vara/Reuters - 27/1/13 Fachada queimada da Boate Kiss, que tinha capacidade para 700 pessoas e no dia do incêndio recebia 1.061 participantes da festa

Cinco anos depois do incêndio na Boate Kiss, em Santa Maria (RS), que matou 242 pessoas e deixou outras 636 feridas, ninguém foi responsabilizado criminalmente. Ainda sem data para o julgamento, falta uma decisão final sobre a ida a júri popular dos quatro réus no processo. Familiares e sobreviventes promovem hoje homenagens por toda a cidade em memória das vítimas.

Em 27 de janeiro de 2013, a boate sediava uma festa universitária com show da banda Gurizada Fandangueira. Durante a apresentação, o grupo utilizou um tipo de fogo de artifício, conhecido como chuva de prata, que entrou em contato com o revestimento das paredes e do teto composto por um produto altamente inflamável e tóxico. As chamas se espalharam rapidamente e o estabelecimento, lotado, não tinha saída de emergência.

Segundo testemunhas, não havia sinalização interna e a boate ficou sem luz assim que o fogo começou. Com dificuldade para sair, pessoas morreram asfixiadas no banheiro. O local tinha capacidade para 700 pessoas, mas naquela noite recebia 1.061.

Os dois sócios da boate Elissandro Spohr e Mauro Hoffmann e os músicos da banda Marcelo de Jesus dos Santos e Luciano Augusto Bonilha Leão são os acusados pelo incêndio e podem responder por homicídio duplamente qualificado, sendo 242 consumados e 636 tentativas. Os quatro foram presos, preventivamente, dias depois do ocorrido e liberados em março daquele ano.

Leia as últimas notícias de Brasil

O processo teve algumas reviravoltas e segue sem definição. A 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul manteve, em março do ano passado, a decisão da primeira instância de mandar o caso a júri popular, mas, em dezembro, o TJ/RS, respondendo a um recurso da defesa, decidiu que os réus não irão a julgamento popular por não configurar crime doloso, ou seja, intenção de matar.

Edu Andrade/Agência O Globo Desenho de corpos no chão: uma homenagem da população aos mortos

“Assumir o risco é algo mais do que ter consciência do risco, mas consentir com o resultado que venha a ocorrer”, disse o relator do processo, desembargador Vitor Luís Barcelos, que foi acompanhado por outros três magistrados. O resultado da votação ficou empate e favoreceu a defesa com o afastamento do júri.

O Ministério Público Estadual, que sustenta a existência de crime doloso, recorreu e garantiu que pedirá, em todas as instâncias necessárias, que a sociedade julgue os acusados. “Se existir qualquer indício que aponte no sentido da possibilidade de existência do dolo, deve o acusado ser submetido a julgamento pelo júri”, sustenta o recurso assinado pelo coordenador da Procuradoria de Recursos, Luiz Fernando Calil de Freitas, e pelo promotor assessor Rodrigo Azambuja.

Homenagens

Para atuar como assistente de acusação no processo contra os réus e promover ações que mantenham viva a memória das vítimas, foi criada a Associação dos Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria. Hoje, várias ações em homenagem aos que morreram serão realizadas na cidade. Entre elas, um concurso público para escolher o projeto do Memorial às Vítimas da Kiss, a ser construído no lugar da boate.

O dinheiro que será investido no projeto é fruto de financiamento coletivo. A campanha encerrou-se em novembro e arrecadou R$ 250 mil, superando a meta inicial, estipulada em R$ 150 mil. Com o dinheiro, será possível custear a elaboração do concurso, a premiação dos cinco melhores projetos e o pagamento dos honorários do vencedor. O valor também vai possibilitar a execução de projetos complementares para o Memorial, como o hidráulico, o elétrico, projeto hidrossanitário e o Plano de Prevenção de Combate a Incêndio (PPCI).

Saiba mais

  • Levantamento: Brasil tem 622 presas gestantes ou em fase de amamentação

    Levantamento: Brasil tem 622 presas gestantes ou em fase de amamentação

  • Contrabando aumenta 9,4% e atinge R$ 2,3 bilhões no ano passado

    Contrabando aumenta 9,4% e atinge R$ 2,3 bilhões no ano passado

  • MP proibe FGV de medir danos causados pela tragédia de Mariana para Samarco

    MP proibe FGV de medir danos causados pela tragédia de Mariana para Samarco

“A importância que esse memorial terá é dizer que isso não pode acontecer mais”, afirmou o presidente da AVTSM, Sérgio da Silva. Ele ressaltou que a obra vai trazer dignidade às famílias das vítimas da tragédia. “Hoje em dia, nós não temos nenhum acusado, ninguém é responsável. Então, acho que esse memorial vai tratar, indiretamente, a questão da justiça, já que estamos abandonados em relação a isso”, disse. O espaço onde funcionava a casa noturna foi desapropriado, em 2017, pela prefeitura e cedido para a construção do memorial.

As homenagens que marcam os cinco anos da tragédia seguem uma programação que teve início na quinta-feira, com o lançamento do livro Todo dia a mesma noite, da jornalista Daniela Arbex, feito a partir de entrevistas com familiares e envolvidos na tragédia. Ontem, foi exibido o documentário Depois Daquele Dia, de Luciane Treulieb, irmã de uma das vítimas. Hoje será realizada a tradicional vigília em frente ao prédio, na Rua dos Andradas, além de culto ecumênico e a soltura de 242 balões, simbolizando cada uma das vítimas que perderam a vida em janeiro de 2013.

* Estagiária sob supervisão de Rozane Oliveira

“Se existir qualquer indício que aponte no sentido da possibilidade de existência do dolo, deve o acusado ser submetido a julgamento pelo júri”
Luiz Fernando Calil de Freitas, coordenador da Procuradoria de Recursos do RS

Tragédia da boate Kiss, que matou 242 pessoas, completa 5 anos sem culpados
Rate this post
Conheça a Dieta Mind, abordagem nutricional que pode combater o Alzheimer
Com aumento de casos no verão, saiba como evitar a conjuntivite